Voltar

Páscoa

Páscoa

Páscoa, ou seja a Ressurreição de Jesus Cristo é o maior e o mais antigo feriado cristão, celebrado para comemorar a  ressurreição de Jesus Cristo. Contemporaneamente, as comemorações de Páscoa levam consigo muitos costumes, tradições e rituais, com as raízes não só no cristianismo, mas também nas crenças pagãs. O período de Verão quando cabe a Páscoa (sempre no primeiro Domingo após a lua cheia de Primavera), faz com que com este feriado tenha muitos costumes e tradições que acentuam o final de Inverno e o início de Primavera.



   

Domingo de Ramos  é uma festa móvel cristã celebrada no domingo antes da Páscoa. A festa comemora a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. É neste dia quando os fiéis vão às igrejas com os ramos ou buques de vimes. É comemoração dos acontecimentos descritos no Evangelho e também expressão das antigas crenças no renascimento da natureza para a vida juntamente com o final de Inverno e início da Primavera. Por isso o Domingo de Ramos era chamado também de Domingo de Flores ou de Vimeiros. Neste dia, Pucheroki, ou seja meninos vestidos nos casacos de pele virados para cima, nos gorros na forma de cone adornados com papeis coloridos, com rostos sujos, andam pelas aldeias na vizinhança de Cracóvia, entre outros por Zielonki,  Bibice ou Trojanowice. Os meninos cantam e desejam feliz Páscoa, pelo que recebem pequenos donativos e delícias de Páscoa. O costume vem da antiga tradição dos estudantes de Cracóvia, chamados de żak, que também passeavam pelas casas dos habitantes de Cracóvia.



   

Semana Santa, a semana que se inicia no Domingo de Ramos, é período de espera para a Páscoa. O seu cada dia tem o seu simbolismo religioso, por isso muitos fiéis durante esta semana todos os dias vão à igreja para assistir à missa. As comemoração da Semana Santa no santuário de Tumba do Senhor em Miechów tem uma forma muito solene. No Domingo de Ramos apresenta-se aqui a procissão com o Senhor Jesus no burro, na Terça-Feira Santa a missa de Via Crúcis é celebrada durante a procissão pelas ruas da cidade, e a Via Crúcis da Sexta-Feira Santa passa pelos pórticos de claustro de Ordem Equestre do Santo Sepulcro.



   

Mistérios da Paixão do Cristo no santuário em Kalwaria Zebrzydowska juntam muitos peregrinos e cada vez mais turistas. Tudo começa com a apresentação da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém no Domingo de Ramos. Na Quarta-Feira Santa, à noite, apresenta-se, entre outros, a entrada dos alunos ao templo, traição de Judas e a assembleia de Sinédrio. Na Quinta-Feira Santa tem lugar o costume de lava- pés dos apóstolos, e depois a procissão para Getsémani, apreensão do Jesus Cristo pelos guardas e a fuga dos apóstolos para o palácio de Caifás onde surge a cena de negação de São Pedro. A apresentação do resto dos acontecimentos continua na Sexta-Feira Sant. A apresentação acaba no momento de condenação de Cristo para a morte na cruz, e depois começa a tradicional Via Crúcis. Os Mistérios de Paixão de Cristo, mas já de menor tamanho, celebram-se também no claustro dos Bernardinos na Alwernia.



   

Ovos pintados são tradicionalmente preparados antes de Páscoa. Com os métodos naturais pinta-se as cascas dos ovos e adorna com vários moldes. Quem quiser pode participar até nas oficinas de fazer os tradicionais ovos pintados, por exemplo em Stryszawa (www.stryszawa.pl).  



   

Sábado Santo, último dia de Quaresma, antecedente ao Domingo de Páscoa, é tempo de espera alegre, ligada com a bendição dos alimentos preparados para a mesa de Páscoa. Na região inteira os fiéis dirigem-se às igrejas, levando consigo as cestas com  „święconka”. Na cestinha não podem faltar ovos pintados, ou seja símbolo de uma nova vida, e cordeiro de bolo ou de açúcar, símbolo de Cristo sacrificado. Na cesta coloca-se também pedaços de salsichas, preparadas para a Páscoa, um bocadinho de sal e fatia de pão.



   

Domingo de Páscoa inicia com o pequeno-almoço solene, onde se serve todas as delícias da cestinha com  „święconka”. Comer os pratos abençoados é uma referência à vida eterna que o Jesus ressuscitado dá aos fieis. Durante o almoço de Páscoa come-se a sopa żurek preparada com base no soro de leite ou sopa de raiz-forte. Muitas vezes nas mesas de Małopolska aparece a sopa de beterraba - barszcz temperado com natas com linguiça branca, preparada com base no caldo de fumagem.



     

Segunda-feira molhada, ou seja, Śmigus-Dyngus, o primeiro dia após a Páscoa, é o período quando os meninos, à espera da meninas, derramam nelas os baldes de água. A tradição é o eco dos antigos costumes pagãos relacionados com a simbólica limpeza de Primavera das sujeiras e doenças. Outra tradição é Siuda Baba, ou seja um homem disfarçado de mulher, com o rosário de batatas e rosto pintado com fuligem. Na segunda-semana molhada anda pelos arredores de Wieliczka, rodeando por perto na igreja na companhia de Cigano sujo com o chicote na mão. A tradição  tem as suas raízes na lenda sobre um templo pagão em Lednica Górna perto de Wieliczki. Foi onde ardia o santo lume, depois mantido pela sacerdotisa desempenhando as suas funções durante o ano inteiro. Depois, suja de tanto ficar sentada perto do fogo, andava pelas casas à procura de uma virgem para a substituir. Também hoje a Siuda Baba anda à procura das meninas, mas só para que se resgatem com  uma moedinha ou um beijinho, mas sempre acabam  sujas com a fuligem…


Reproduzir Reproduzir

Recursos Relacionados