Voltar

Monastic and regional delicacies

Monastic and regional delicacies

CERVEJA CISTERCIENSE

A tradição de fabrico da cerveja de mosteiro com base na água das fontes de Szczyrzece remonta o século XVII. Atualmente a ordem cisterciense já não se ocupa de fabrico de cervejas. O seu representante, a empresa Dominium, é titular da licença para a cerveja Frater, popular no mercado polaco, elaborada conforme as antigas receitas cistercienses.



BÁLSAMO CAPUCHINHO
A receita para o bálsamo capuchinho os padres de Cracóvia receberam de Chéquia como forma de agradecimento pelo cuidado que tomaram do monge do claustro de Praga, ferido  durante a I guerra mundial.  O bálsamo tem sido produzido constantemente desde quase cem anos e distribuído como  produto natural para o fortalecimento do organismo e calmante da dor. A sua fama e renome duram desde os tempos entre as guerras, e no século XIX aumentaram tanto, que no ano 2005 os monges capuchinos resolveram desenvolver mais ainda a sua produção. O responsável pela produção do bálsamo e ao mesmo tempo curador da receita é o monge, a única pessoa que conhece os segredos da composição deste produto, uma mistura de ervas, mel, própolis e resinas de aroma e cheiro intensivos.


PRODUTOS BENEDITINOS
Série de produtos alimentares, produzidos conforme as antigas – salvadas do esquecimento- receitas e tradições dos monges de mosteiros. Entre eles: frios, pães, peixes, mel, produtos de frutas, secas de ervas, sumos, xaropes, doces, bebidas alcoólica e até os cosméticos. Todos são produzidos com os métodos tradicionais, sem conservadores e corantes artificiais. As embalagens tradicionais acentuam o carácter excecional de produtos beneditinos. A sua ideia de compartilhar a experiência de mosteiros os Beneditinos  realizam no campo local e global, desenvolvendo a rede de lojas no país e no estrangeiro.


Krzonówka de Sułkowice
Krzonówka é a tradicional sopa de Páscoa, popular na região de Małopolska. No dia 1 de Dezembro de 2010 foi inscrita na Lista dos Produtos Tradicionais administrada pelo Ministro de Agricultura e Desenvolvimento do Campo. Como é feita de muitos componentes, fica densa e compacta. É feita com base no soro de frios e vários tipos de carnes, chouriço, costelinhas e bacon. A raiz-forte e os ovos dão-lhe um sabor especial. A sopa, com plantas verdes, serve-se com pão.

KREMÓWKA PAPIESKA [literalmente: bolo cremoso do Papa] Era assim: o Papa João Paulo II, no ano 1999 durante a sua peregrinação para Polónia visitou a cidade Wadowice e durante o encontro com os habitantes da cidade, lembrando os tempos da sua juventude, mencionou os famosos bolos kremówki vendidos naquela altura na hoje já não existente pastelaria de Karol Hagenhuber. Os confeiteiros de Wadowice ( e não só eles) não podiam perder tal oportunidade de marketing. E ao nome tradicional de kremówka – ou seja um doce feito de duas massas folhadas e grande quantidade de creme de leite – adicionaram ainda o adjectivo “do Papa”.

Multimídia

Reproduzir Reproduzir